Publicado por: Evaldo Oliveira | Julho 8, 2011

ENCONTRO DE AMIGOS

Há sessenta anos em Natal, Remiela já esquecera quase tudo que se relacionava ao Líbano, país de origem e tema obrigatório de suas conversas. Ao completar 75 anos, foi preparada uma festa em família. Filhos e netos já estavam preocupados com as falhas de memória do mais brasileiro de todos os libaneses. Nada melhor do que convidar um amigo libanês, ex-colega de faculdade, para reviver acontecimentos do passado. Uma varrida no tempo.

Organizado o evento, contratado o buffet, compradas as bebidas e convidados todos os familiares, lembraram de seu Aisenma, conterrâneo e amigo de longa data, com quem Remiela não falava há alguns anos. Convite feito. Claro que ele viria. Tudo confirmado.

A festa, na casa da família, na Praia do Meio, começou cedo, com um café maravilhoso, seguido de um banho de mar, em que  nadaram juntas cerca de cinquenta pessoas, entre familiares e amigos. Muita gritaria, muita animação, e todas as honras ao aniversariante.

No alpendre da casa, em um canto, uma mesa com duas cadeiras. E lá ficaram Aisenma e o ilustre aniversariante. Os dois foram colocados em um local mais distante, para que velhos segredos pudessem ser relembrados sem constrangimento. Logo entabularam uma conversa animada, onde as risadas se sucediam. Era um riso franco, em bom tom, sem compromisso com o ridículo. Os familiares, em especial os filhos, um pouco afastados, sentiam-se recompensados pela ideia de trazer o velho amigo do pai para aquele dia de comemorações. E os dois almoçaram juntos, ao tempo em que se sucediam gostosas e demoradas gargalhadas.

Mais tarde, todos em estado de plena euforia pela aparente satisfação de Remiela em ter rememorado – pensaram todos – antigas estórias, coisas do passado, farras da juventude e, até, quem sabe, segredos de antigos amores, os filhos foram abraçá-lo.

– E aí, papai, o papo foi bom?

– Que papo? – Perguntou com ar de espanto.

– O papo com seu amigo.

– Por falar em amigo, quem era aquele senhor que estava em minha mesa durante todo o almoço?

No avião, de volta ao Rio, olhando o cartão de embarque, Aisenma esbravejou: Que diabos eu fui fazer em Natal, se não conheço uma pessoa sequer, lá?

 


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: