Publicado por: Evaldo Oliveira | Fevereiro 24, 2012

RABISCOS NA CALÇADA

 

Uma calçada sendo reformada ou construída. Mais tarde, algumas crianças, fingindo total desinteresse, e portando um prego estrategicamente escondido no bolso da calça, suspensório a sustentá-la, passavam pelo local. Esse ritual fazia parte de um processo que estaria por ser desencadeado. O local era devidamente observado, e a turminha já combinava hora e local para deixar suas pequenas marcas em baixo relevo.

Com toda certeza, em muitas cidades do interior do Brasil existem resquícios de um arcaico e tortuoso acervo arqueológico. Inscrições rupestres de uma geração ansiosa por um futuro que vislumbrava inteiro e salutar.

Muitas calçadas guardam, em algumas rebordas, junto a um meio-fio de antigamente, recordações de uma infância alegre, solta e feliz. Rabiscos pequeninos, escondidos, feitos com um prego ou um palito, porém com endereços estrategicamente preestabelecidos, apesar de todos os disfarces. Homenagem silente a uma vogal ou consoante que, perto ou distante, fazia-se merecedora de uma homenagem ao nível do solo, sob os auspícios da ousadia.

Alguns meninos, com o espírito mais escancarado, deixavam um pequeno coração com as iniciais ao lado de uma flecha que o traspassava da aurícula direita ao ventrículo esquerdo. Eram duas letrinhas tortuosas, que justificavam uma satisfação de um SMS direto – carimbo de cimento – junto à sarjeta, de difícil localização, e conferidas no dia seguinte.

Isto posto, esqueçamos o inaudita altera pars (sem ouvir a outra parte) dos juristas – visto não haver necessidade. Porém ninguém estranhe se adultos sérios, quando em visita à cidade natal, derem uma conferida, disfarçadamente, tipo sem-querer-querendo, em estratégicas calçadas, em buscas de inscrições antigas – verdadeiras Escritas Cuneiformes –, simples rabiscos que conferiram paz ou incerteza a pequenos corações ansiosos por uma identidade.

Na Capadócia – interior da Turquia – são vendidas réplicas de pedras com simulação de escrita cuneiforme. Ao vê-las, logo me vieram à mente antigas inscrições feitas em calçadas da minha infância, ostentando rabiscos em nada diferentes desses, e um frio gostoso me  fluiu pelas veias, no rumo do coração.

Interior do Brasil, década de 1940/1950. Pixadores de meios-fios ou precursores da Calçada da Fama?

 –

A escrita cuneiforme foi desenvolvida pelos sumérios, sendo feita com objetos em formato de cunha. Os primeiros pictogramas – por volta de 3500 a.C – foram gravados em tabuletas de argila, com um estilete feito de cana.            Wikipédia.


Responses

  1. Muito bonita a crônica!!

  2. Infelizmente somente os meninos tinham a coragem de deixar as suas escritas nas calcadas.
    As meninas eram para brincar de boneca , e casinha .
    Seria maravilhoso, hoje poder voltar a Areia Branca e rever algunha coisa escrita por mim , nas calcadas da rua do Meio.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: