Publicado por: Evaldo Oliveira | Maio 5, 2012

POR QUÊ?

 

Por que nossos filhos, mesmo queridos, não são quase perfeitos; não nos contam seus envolvimentos por inteiro, nem nos dizem onde de fato estiveram, como fazem os filhos/filhas de boa parte das pessoas que conhecemos?

Por que nossos vizinhos de apartamento são ou foram quase sempre insuportáveis, barulhentos, ora o de cima, às vezes o da direita, em outros momentos o da esquerda, diferentemente do que acontece com boa parte das pessoas que conhecemos?

Por que nosso dinheiro – que sabemos ser escasso – não nos credencia aos mais simples sinais exteriores de qualquer tipo de ostentação?

Por que alguns amigos insistem em que nos tornemos inimigos de seus inimigos, assumindo como nossas as suas idiossincrasias de relacionamento?

Por que as reuniões sociais e as festas das quais participamos sempre melhoram justo depois que saímos, o que sempre nos deixa com um estranho sentimento de culpa?

Por que nossos cachorros têm cheiro forte, sujam o quintal, soltam pelos, às vezes vomitam, eliminam secreções, fazem xixi nos lugares mais bizarros, importunam as pessoas, mancham nossas roupas, arranham móveis e carros, e os amigos insistem em manter tais bichinhos dentro de seus apartamentos, subindo no colo das visitas?

Por que as propagandas dos governos mostram pessoas sorridentes, escolas novas, com professores e alunos esbanjando felicidade, hospitais bonitos e bem equipados, transporte público excelente e segurança pública exemplar, com policiais cumprimentando as pessoas?

Por que, durante as campanhas eleitorais, os políticos aparecem sorridentes, demonstram honestidade, são trabalhadores, defensores ferrenhos da moralidade e contrários a qualquer forma de corrupção?

Por que, nos casos de desrespeito e falta de cidadania – sujeira nas ruas, lixo atirado nas margens das estradas, estacionamentos irregulares – todos os entrevistados são cidadãos íntegros, cumpridores dos seus deveres, e dizem-se indignados com tal situação? Afinal, quem joga o lixo na rua? Onde estão os infratores?

Por que, afinal, tive a extemporânea ideia de presentear o sisudo diretor da empresa em que trabalhava com o livro COMO ME TORNEI ESTÚPIDO, do escritor francês Martin Page?

Por quê?


Responses

  1. Meu caro Evaldo: tentei encontrar uma unidade para tantas respostas, mas não consegui. São tantos os questionamentos que eu me recolho (e me encolho) ao ensinamento socrático “só sei que nada sei”, convencimento que levou Nicolau, de Cusa, a reconhecer e proclamar, como sábia, a douta ignorância. No vestibular da vida eu começaria as respostas pela última questão – COMO EU ME TORNEI ESTÚPIDO. A partir daí o fio do novelo será melhor desenrolado. Certa vez, aborrecido, quis romper uma amizade, mas recuei ao refletir que os verdadeiros amigos são poucos e que todos têm seus defeitos. Se eles me compreendem e me aceitam COM TODOS OS MEUS DEFEITOS, por que não compreendê-los e aceitá-los na sua “humanidade”? Sim, porque humanos, somos relativos; relativos, somos imperfeitos. Carregamos uma identidade comum que nos faz potencialmente capazes de cometer todos os erros apontados nos demais ítens. A consciência de nossa individualidade é que nos faz diferentes e capazes de evitar todos os transtornos apontados em todos os ítens de sua preciosa análise. Receba um abraço do amigo e compadre Assis Câmara

  2. Como sempre Evaldo, as suas reflexões tem tudo haver com o incnsciente colelivo. Fiquei até o final do artigo, esperando, que você tivesse a resposta, tirada do bolsinho do colete. Um grande abraço, Meive

  3. Tio Evaldo, estou adorando ler o seu blog! Beijos e saudades… Alininha

  4. Caro amigo Assis, como sempre, a veia poética e a sátira próprias dos seres iluminados. Um abraço. Também não sei a resposta a essas indagações.

  5. Dr. Evaldo, só você para expor, de forma tão clara e precisa, as perguntas (sem respostas) que todos nós nos fazemos, induzindo-nos a uma reflexão mais profunda sobre todas estas verdades.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: