Publicado por: Evaldo Oliveira | Agosto 3, 2012

O DEUS DE CADA UM

Heloisa estava muito feliz; exultante, diria. Candidatara-se a uma vaga de estagiária dos Correios, pelo viés de suas necessidades especiais, e fora aprovada. Filha de uma funcionária de farmácia, desde pequena acostumara-se às durezas da vida. Portadora de insuficiência respiratória, e vítima de pneumonias de repetição, teve que enfrentar dificuldades quase insuperáveis durante toda sua infância.

No último fim de semana, a família comemorou a vitória da estudante. Quem diria. E, ainda por cima, passaria a ganhar uma bolsa de estágio, que muito ajudaria em suas despesas pessoais. Alguns parentes viajaram do interior para o congraçamento.

Em fase de conclusão do ensino médio, Heloisa frequentava uma pequena igreja, levada por alguns amigos. Lá, era paparicada pelo pastor e sua esposa, que a tratavam com evidente diferenciação. Mas todos entendiam e até reforçavam esse especial desvelo do casal de religiosos. Nos cultos, sua limitação física era valorizada, como forma de mostrar aos outros fiéis a importância do esforço e da superação pessoal.

No trabalho, a garota desenvolvia de modo muito satisfatório suas atividades, demonstrando inteligência, habilidade e respeito aos colegas. Chamava a atenção o seu interesse pelas tarefas. Enfim, desembaraço e presteza em suas atividades nos Correios.

Naquela sexta-feira Heloisa não conseguia esconder sua euforia. É que iria receber o primeiro pagamento de sua bolsa de estágio, acrescido do vale transporte e do tíquete alimentação. Na igreja, evitara falar destes detalhes.

Antes do meio dia, preparando-se para se dirigir ao trabalho, a estudante recebeu um telefonema do pastor. Com um falar macio, dizia que o Senhor lhe dera aquele trabalho, e que ela tinha a obrigação de entregar todo o valor do primeiro mês, e também o vale transporte e o tíquete alimentação. Heloisa respirou fundo, relembrou toda a sua trajetória de luta e falou que depois passaria na igreja para conversar.

Hoje, feliz da vida, Heloisa é aluna da primeira série do curso de Processamento de Dados.

No Gólgota, todas no cravo; aqui, também. Com personagens diferentes.

 

 

 

 


Responses

  1. Gostaria que pessoas fossem inteligente como Heloisa. Ela fez a diferenca.

  2. Dodora, este caso é verídico. Atendi essa menina quando pequenina. Foi muito difícil para sua mãe fazer com que ela chegasse à idade que tem (dezenove anos).

  3. Que Deus mantenha a Heloisa inteligente e com saude.

  4. Emocionante… faz-me lembrar o querido irmão Gileno: também tão inteligente, mas para poupá-lo nossos pais não permitiram que seguisse um caminho como o da Heloísa, que realmente faz toda a diferença.

  5. Sônia, todos sabemos que há igrejas e Igrejas. Sempre haverá um local adequado, correto, onde as pessoas se sintam bem. E, acima de tudo, com respeito.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: