Publicado por: Evaldo Oliveira | Janeiro 11, 2013

DOENÇA DO HOMEM LOUCO

Conhecida como Doença da Vaca Louca, a Encefalopatia Espongiforme Bovina provocou 137 mil mortes em bovinos na Grã Bretanha no mês de outubro de 1994. A doença pode ser transmitida aos seres humanos, sendo igualmente fatal. Nos bovinos, é uma doença crônica, de evolução rápida após o início dos sintomas, e o desfecho fatal ocorre em um período de cerca de seis meses.

O agente infeccioso seria uma proteína chamada prion. Os príons são responsáveis pelas encefalopatias espongiformes transmissíveis em uma variedade de mamíferos, incluindo os humanos. Todas as doenças priônicas conhecidas afetam as estruturas cerebrais ou outros tecidos neurais, não possuem cura e são sempre fatais (Wikipédia). Os príons encontrados nas células nervosas dos mamíferos –  interagem com material genético do hospedeiro, produzindo mais proteína, cujo acúmulo anormal provoca a doença. Há evidências de que a Doença da Vaca Louca se deva à ingestão de ração contendo sangue e vísceras quando da utilização de carcaças de ovinos sem um adequado tratamento.

Quando a Encefalopatia Espongiforme Bovina é transmitida ao homem – pela ingestão de carne, mesmo frita ou cozida, de animais contaminados -, adquire as características da Doença de Creutzfeldt-Jacob-DCJ, que se caracteriza por infecção generalizada do cérebro em virtude da multiplicação da infecção em outras partes do organismo. Os sintomas iniciais são distúrbio do andar (ataxia cerebelar), levando a uma descoordenação, que evolui para a invalidez. A morte se dá por dificuldade da deglutição e incapacidade para se alimentar, levando à desnutrição e à inanição.

Nas décadas de 1950 e 1960 houve uma epidemia de DCJ entre os papuas, nativos da Nova Guiné, província da Indonésia; aqui, a doença é chamada de Kuru. Somente mais tarde o pesquisador D. Carleton Gajdusek descobriria uma relação entre essa epidemia e a prática do canibalismo tribal, em que as pessoas ingeriam, em cerimoniais de luto, o cérebro de seus familiares mortos. Esta descoberta rendeu—lhe o Prêmio Nobel de Fisiologia/Medicina no ano de 1976.

Kuru, a doença do homem louco?


Responses

  1. Amigo meu, cada bela crônica = uma preciosa aula. Quanto o amigo não teria amealhado se fosse cobrar por cada aulas dessas, hein?

  2. Ricardo, esse tipo de trabalho só pode ser feito por pessoas como nós, em que o dinheiro não ocupa o primeiro lugar de nossa preocupação. Há outras motivações, bem maiores, você sabe.

  3. Ja escrevi inumeras veze o quanto tenho aprendido com as cronicas de Dr Evaldo. Se as aulas fossem cobradas, eu estaria na fila do Obamacare(food stamps) Felizmente Deus deu esta inteligencia a uma pessoa que e desprovida de ambicao. Obragada Dr Evaldo. Realmente isto nunca foi divulgado e nunca ouvi falar comos esta doenca, que matou tantas pessoas, tivesse sido derivado a pratica do canibalismo

  4. Meu Deus, quanta coisa desconhecemos, ou melhor, desconheço. O teu texto, Evaldo, deixou-me realmente estarrecida com a tal doença; e, mais ainda: gostando menos de carne. Prefiro os frutos do mar.
    Como poderemos pagar tão maravilhosa aula, além da admiração incondicional que nutrimos por ti???
    Obrigada, menino. Que Deus te conceda muito tempo de vida para continuares a (nos) proporcionar tantos proveitosos conhecimentos.
    Um abraço.

  5. Sônia, isso serve para nos alertar para o consumo de carne vermelha, que deve ser o menor possível. Já o Kuru, parece existir apenas entre as tribos que praticam o canibalismo, como podemos deduzir.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: