Publicado por: Evaldo Oliveira | Janeiro 27, 2017

QUEIMANDO FITAS EM COIMBRA

Naquele dia, em pleno mês de maio, Coimbra amanheceu ensolarada. Estávamos na primavera, e uma olhada pelos vidros do hotel nos indicava um dia comum. Caminhando pelas ruas, fomos nos deparando com pequenos grupos de estudantes que passavam devagar, entoando cantos e recitando poemas, parecendo levar em condução coercitiva outros estudantes, que se mostravam aprisionados.

Aqui e ali, outros aglomerados de jovens caminhavam pelas ruas principais da cidade, mantendo alguns estudantes sob tutela. Um desses grupos parou em frente à Catedral da Sé e, ali, desenvolveu-se um curto evento literário. Um dos prisioneiros passou a ler um texto muito bonito, que fazia referência a um fato histórico envolvendo um poeta português. Pessoas aplaudiam. Percebia-se uma aglomeração se formando em frente àquela catedral.

À tarde, o movimento dos estudantes aumentava na porta da Catedral da Sé (Sé Velha), um edifício em estilo românico cuja construção começou por volta do ano de 1139, quando a cidade de Coimbra foi escolhida capital pelo rei de Portugal, Afonso Henriques. Aquela movimentação ordenada de universitários fazia renascer em cada um de nós o espírito de estudante oculto em nossas histórias de vida. Uma festa na alma.

Tratava-se da Semana Acadêmica, uma festividade estudantil de instituições de ensino. A toda essa movimentação dá-se o nome de Queima das Fitas, por ser o nome da semana acadêmica mais antiga da Universidade de Coimbra, criada no dia 1º de março de 1290, a primeira universidade do país e uma das mais antigas da Europa.

A Queima das Fitas tem sua origem na cidade de Coimbra, e engloba atividades desportivas e culturais que ocorrem durante vários meses, juntando toda a academia e seus estudantes, na maioria de universidades. Este evento também serve de rito de passagem para os calouros, que passam a se chamar pastranos.

À noite, em uma bonita festividade com a participação dos moradores da cidade, centenas de estudantes universitários em fase final do curso queimavam fitas com as cores da sua escola, em um congraçamento carregado de emoções. A despedida.

se-velha

Os estudantes da Universidade de Coimbra utilizam, desde o ano de 1718, uma capa preta para frequentar as aulas, o que aumenta o impacto da plasticidade dos grupos. Na barra da capa, alguns cortes parecem desfigurar a beleza do uniforme. É que os rapazes fazem um corte para cada namorada incorporada durante o curso – alguns exageram, claro. As moças são bem mais discretas.

queima-fitasImagens da internet

Queima das Fitas. Festa em Coimbra. Tradição que se perpetua.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: