Publicado por: Evaldo Oliveira | Março 21, 2017

UM COMEÇO

Há tempos um pensamento ocupa minha mente. Ideia besta ,enterrada na meninice. Dois promissores capítulos se perderam por força e culpa da comparação. Força de uma escrita desumana. Culpa, toda minha. Ter lido um tal de Machado, hoje postumamente, traz viva lembrança as minhas memórias.

O momento não era oportuno, a vergonha prenunciava a adolescência e pseudônimos estavam fora de moda. Gastava um pouco da minha vontade praticando redação. Eram boas, pena essa caligrafia horrível me distanciar do entendimento das pessoas. Fiz do limão a limonada. Cá estou médico.

Lembro-me de visitar uma cidade no interior do Goiás. A casa era de uma doceira, dona Ana vestiu-se de coragem e lançou seu primeiro livro do alto dos seus 76 anos. O mundo corou diante de Cora Coralina. Pensei, nunca é tarde.

Estava decidido a falar, ou melhor, a escrever. Foi aí que um Eco impiedoso sentenciou: “Redes socias deram voz a uma legião de imbecis”. Confesso que a mordacidade deste gênio me balançou. Pensei, até tu Umberto?! Que Deus o tenha em bom lugar.

Se Nelson Cavaquinho eu fosse, certamente diria: “Tire o seu sorriso do caminho, que eu quero passar com a minha dor”. Mas fui Noite Ilustrada , levantei, sacudi a poeira e dei a volta por cima.

Aqui acabo este breve começo. Viva nossa língua, saudemos nosso maior tesouro.

Escreverei porque é prosa; se fosse verso, declamá-lo-ia.

Texto de Luiz Fernando Bastos

Médico Angiologista

Primeiro texto publicado


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: