Publicado por: Evaldo Oliveira | Abril 21, 2018

LAMPIÃO E MARIA BONITA, terror, amor e marketing na caatinga

Quando falamos ou pensamos no cangaço, logo surge o nome ou a imagem de Lampião. Por quê? O bando de Lampião não foi o primeiro a atuar no sertão nordestino. Antes dele, José Gomes, o Cabeleira, já aterrorizava a zona da mata pernambucana desde Vitória de Santo Antão até o centro de Recife pelos idos de 1775. Cabeleira, que nascera no ano de 1751, era um bandido sanguinário e cruel e entrou na vida do crime por influência do pai, um homem de má índole que cedo ensinou a arte de matar e sangrar as pessoas indefesas apenas por prazer. Cabeleira foi levado à forca no Forte das Cinco Pontas em 1776.

Em 1875 nascia Antônio Silvino,  em Afogados da Ingazeira-PE, o mais famoso cangaceiro antes de Lampião. Chefe de um grupo de cangaço, arrancou trilhos, prendeu funcionários, sequestrou engenheiros da Great Wester. Preso em 1914 na Casa de Detenção de Recife, teve um exemplar comportamento, sendo libertado em 1937 através de um indulto do presidente Getúlio Vargas. Morreu em 1944 em Campina Grande.

Antonio Silvino, segundo de péAntônio Silvino, segundo de pé

Nenhum desses cangaceiros, no entanto, conseguiu criar em torno de si algo que pudesse perpetuar seus nomes na história do crime. Lampião, ao contrário, firmou-se no anedotário popular e nos registros históricos como o homem que conseguiu espalhar o terror , originando fama, ódio, respeito, idolatria, temor e admiração. Lampião nasceu em Serra Talhada em junho de 1898 e, devido à sua fama, em 1930 foi citado no jornal The New York Times.

Maria Bonita

Tudo começou no ano de 1921, quando  Virgulino Ferreira da Silva passou a fazer parte de um bando depois que a polícia assassinou seu pai a tiros. Lampião tinha muita destreza, era inteligente, sabia ler e escrever, além de ser bom de mira. Com tais requisitos, tornou-se líder do bando em 1922. O apelido Lampião surgiu de sua temida habilidade no manejo do rifle, ao fazer vários disparos em sequência, que mais parecia um candeeiro iluminando a caatinga.

Lampiã::Maria Bonita

Uma de suas primeiras ações foi matar o informante que entregara seu pai à polícia. Ainda no ano de 1922, realizou um dos maiores assaltos da história do cangaço, ao atacar e exigir dinheiro de uma senhora de mais de noventa anos, a Baronesa de Água Branca.

Lampião

Maria Gomes de Oliveira, a Maria Bonita, nasceu em Paulo Afonso no ano de 1911, e passou a fazer parte do bando aos 18 anos de idade, a convite de Lampião, com quem havia iniciado um romance em 1929.

As vestimentas de Lampião eram espalhafatosas, chamativas, com chapéu de couro e coletes com moedas e medalhas de ouro, além de um lenço de seda que trazia no pescoço, preso por anéis de ouro.

Em 1927, porém, o grupo de Lampião cometeria um engano que lhe custaria muitos dissabores, ao atacar Mossoró, à época uma cidade de médio porte. Aquela desastrada invasão marcaria o início do fim do bando. Os cangaceiros perderiam, a partir de então, sua propalada fama de  invencibilidade. Como resultado dessa ação, o grupo ficou com apenas 16 a 20 homens, e contou com a deserção de Massilon, que havia encorajado Lampião a invadir a cidade, por ser próspera e possuir bancos. Lampião jamais concordou com essa invasão.

Bando completo

Corria o ano de 1937, e Lampião, aos trinta e nove anos, andava irritado com a perseguição das volantes. Reclamava também de que sua visão tornara-se precária, depois de um ferimento no olho direito em um espinho. Seu corpo se ressentia com os maus tratos produzidos pelo sol, a pele ressecada, além das más condições de higiene e dos ferimentos mal curados.

Em 1938, depois de anos aterrorizando cidades do Nordeste, os cangaceiros, acampados na Grota de Angicos, em Poço Redondo (Sergipe) foram atacados de surpresa pela polícia armada oficial, conhecida como volante. Naquele local morreriam onze homens do bando. Maria Bonita foi degolada ainda viva, assim como Lampião, este já morto, além de nove cangaceiros. Suas cabeças foram cortadas e fotografadas pelos soldados, como prova da derrocada do bando de  Lampião.

Cabeleira, enforcado em Recife aos 25 anos.

Antônio Silvino, 23 anos mais velho que Lampião, morreu em Campina Grande aos 69 anos, seis anos depois da morte do cangaceiro mais famoso do Brasil, em uma grota no interior de Sergipe.

Lampião, morto por uma volante aos 40 anos, debilitado em sua saúde.

Maria Bonita, a primeira mulher a participar de um grupo de cangaço.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN


Responses

  1. UM TEXTO EXCELENTE.

    MUITO BEM CONTEXTUALIZADO, MEU CARO EVALDO.

    PRECISAMOS FALR MAIS SOBRE O CANGAÇO E OS CANGACEIROS.

    ABS, GENIBERTO

  2. Evaldo, revise a data da invasão de Mossoró. Meu pai contava muitas histórias desse episódio, e na minha memória consta que foi em Junho de 1927.

  3. Guilherme, você tem toda razão, meu amigo. Foi em 1927. É mentira, Terta?

    • kkkk…”Numa ocasião, em 1927″…era assim que Pantaleão começava a contar os “causos” e pedia a confirmação de Terta…

  4. Bela escrita e fotos. Lampião e suas inúmeras histórias, vale a pena conhecer a trajetória de muitos outros cangaceiros, e os motivos que levaram-nos ao Cangaço. Nordeste e sua riquíssima cultura!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: