Publicado por: Evaldo Oliveira | Fevereiro 15, 2019

UM ESTRANHO CASO DE ASMA

No rol de lembranças dos meus atendimentos na rede pública de saúde, veio-me à mente mais um caso emblemático. Trabalhava no Posto de Saúde do Guará I e tinha como cliente uma criança que morava em Taguatinga, cidade-satélite a cerca de 15 quilômetros. Esse cliente tinha um quadro de asma brônquica que resistia a todas as tentativas de resolução.

Os atendimentos anteriores foram corretos, e as medicações seguiram o padrão adequado para a alopatia. Foram prescritos medicamentos e cuidados de higiene que não funcionaram, apesar de bem intencionados e compatíveis com uma boa prática pediátrica. A criança já havia consultado com um alergista, porém seu quadro de asma continuava a responder de forma insatisfatória.

Depois de algumas tentativas de tratamento, sem que algo de especial surgisse em meus planos, tive a ideia de ir à casa dos pais do garoto. Acertamos para o dia seguinte. Senti que havia algo que mantinha aquela criança sempre em crise.

Na casa, apesar de alguns elementos não estarem de acordo com o que seria ideal, não me pareceram ser decisivos em sua não melhora. Não havia cão ou gato, ou outro animal de pelo ou de penas. Visitei o quintal e os lados da casa, e resolvi entrar no domicílio.

Analisei a sala, que me pareceu bem cuidada, e me dirigi, orientado pelos pais, para o quarto da criança, que ficava no início do corredor. Na passagem pela sala, algo me chamou a atenção. Havia muito calor na parte de cima do meu corpo, e da cintura para baixo a temperatura era bem amena, em função do piso. Parei, fui um pouco à frente e retornei. Ali estava a explicação para o problema do garoto. Havia claramente duas ondas (bolhas) de calor. Uma quente, que ia até a cintura de um adulto, e uma fria, daí para baixo.

Olhei para o teto, que descobri ser de telhas de amianto. Reuni-me com os pais e ficou acertado que imediatamente as telhas seriam trocadas para essas de barro, tipo colonial. Acredite, tudo passou a trabalhar a favor da saúde daquela criança. Adeus, asma!

Uma doença crônica de difícil resolução, em uma criança pobre atendida na rede pública de saúde. Uma visita. Apenas uma visita.

Unknown Telhas de barro. O início da cura.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

Obs.: Caso algum especialista discorde dessa acepção, favor fazer comentário pertinente.


Responses

  1. Evaldo!
    Que interessante a crônica!
    E tu, excepcional! Não deves deixar nunca a Pediatria…Fazes a diferença. Parabéns!
    Um abraço.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: