Publicado por: Evaldo Oliveira | Março 7, 2020

A SINGELEZA DE UMA CASA DE VIDRO QUE PARECE FLUTUAR

O que poderia haver de especial em falar de uma casa de vidro? Nada, pois há milhares de casas de vidro pelo Brasil afora. E se eu disser que essa casa de vidro foi construída entre os anos de 1951 e 1955 por uma das mais importantes, mais criativas e festejadas dentre os arquitetos?

Lina Bo Bardi construiu o Museu de Arte de São Paulo – MASP, que ostenta um dos maiores vãos livres do mundo e o segundo do Brasil, com 74 metros entre os pilares. Localizado na Avenida Paulista, em São Paulo, foi construído por iniciativa do paraibano Assis Chateaubriand. O edifício é considerado um importante exemplar da arquitetura brutalista brasileira, pelo destaque de seus pilares, um visual de obra inacabada, o conceito puro da arquitetura – construção de espaços de forma organizada e ordenada para acomodar atividades humanas.

masp

O terreno onde o museu foi instalado foi doado à Prefeitura de São Paulo, com a condição de que jamais fosse construído um edifício no local. Isso porque uma construção iria esconder a paisagem para a Avenida Nove de Julho, com vista para o centro e a Serra da Cantareira. Para atender essa exigência, Lina Bo Bardi apresentou um projeto com um grande vão, onde era possível ver toda a paisagem preservada.

Em um ponto do vão livre há uma grande pedra. Oficialmente, ela está ali para ostentar uma mensagem gravada como comemoração da inauguração, que teve a presença da rainha Elizabeth II. As pessoas afirmam que Lina escolheu a pedra por ter a silhueta de Chatô, o empresário paraibano idealizador do museu.

Pedra vão livre

O Masp possui a mais importante e abrangente coleção de arte ocidental da América Latina e de todo o hemisfério sul, bem como uma extensa seção de arte brasileira.

Foi essa arquiteta quem construiu algo singelo, quase flutuante, a Casa de Vidro, que seria sua residência. Construída no período de 1951 a 1955, a Casa de Vidro tornou-se ícone da arquitetura da época, por suas características únicas. Era toda de vidro. De alvenaria, apenas a parte íntima no interior da casa. Chama atenção o vão livre da parte inferior da construção, sustentado por canos de ferro. Uma ousadia nos anos 1950.

Casa de Vidro 2

Casa de Vidro

Casa de Vidro em dia de exposição

Casa de vidro. A suavidade em meio ao reboliço de São Paulo.

EvaldOOliveira

Sócio Correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do RN

 


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: